03/11/2018 às 10:04
TÃO LONGE, TÃO PERTO

 

Primavera mais uma vez. Outro céu, outro sol, nova brisa.

Foi num desses dias de primavera, estava eu andando pelas ruas de Porto Alegre, coisa que muito me agrada fazer.

Com minha amiga que caminha com passos largos e rápidos, muito contrastando com meu andar de passos curtos e lentos, íamos ao shopping, naquela tarde luminosa, calor do asfalto sapecando os pés, mas brisa mansa a nos beijar a face nua. Como caminho devagar, ia contemplando tudo pela rua, pois andar devagar, nos oferece a oportunidade de ver, de sorver o que a pressa cega.

Pois foi assim que, buscando refúgio na sombra de uma e outra árvore, comecei a deslumbrar-me com a beleza daquelas árvores grandes, que se repetiam nos beirais das ruas, com suas copas vestidas em traje de gala: lindíssimos buquês de flores roxas.

Segurei minha amiga pelo braço, fi-la parar e perguntei-lhe:

- Você sabe que árvores são estas, assim tão floridas?

Ela deu uma olhada rápida e foi logo respondendo:

- Ah... São Jacarandás, está na época de sua floração.

Continuamos caminhando, enquanto eu olhava, embevecida, aquelas copas de árvores, revestidas de um leve azul, um misto de lilás e roxo. Era como se minha alma, saída de mim, estivesse lá em cima, em meio às flores dos Jacarandás.

Imagens aprisionadas na retina, retina presa às imagens, retornamos. No dia seguinte, ao andar pelas ruas da minha cidade, São Luiz Gonzaga, algo na paisagem quase me paralisa. Estavam ali, nas ruas onde diariamente eu circulava, os Jacarandás cobertos de flores roxas.

Como eu nunca os tinha visto?! Mas é, é bem assim. Muitas vezes, não damos a devida atenção às coisas boas e belas que nos cercam. Passamos dias, meses, uma vida inteira, insatisfeitos, procurando o que, por vezes, bem próximo a nós se encontra, mas faltam-nos olhos para ver, ouvidos para escutar, coração para sentir.

É preciso muita viagem, para muito conhecermos. É preciso realizarmos a viagem maior, para dentro de nós mesmos, que, só assim, abrir-se-ão os caminhos da felicidade e sorveremos o perfume da flores da primavera, sejam elas Rosas, Jasmins ou Jacarandás.

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais posts de Guiomar Terra dos Santos