13/12/2018 às 13:18
PINHEIRINHO PENDURADO NA CANTINA?

 Esta época, em que se aproxima o Natal, é para muitos, a mais bela do ano. Uma época que inspira diferentes emoções, onde afloram diferentes conceitos, diferentes leituras e reflexões para tantos diferentes sujeitos.

Outro dia, fui almoçar na Cantina e, entre a ornamentação, chamou-me atenção um pinheirinho pendurado no teto. Achei interessante ver o pinheiro de Natal virado, assim com o pezinho no teto e apontando para baixo, com seus clássicos enfeites. Mas por que virado? Fiquei refletindo sobre aquela inovação.

Nos dias seguintes, passei a encontrar pinheiros azuis da cor do céu, pinheiros dourados, pinheiros prateados, pinheiros brancos e até pinheiros cor-de-rosa. Pinheiro cor-de-rosa? Brancos eu já conhecia, sei que servem para lembrar a neve, ligando-se à origem de sua simbologia. Pinheiros em prata e dourados  são corriqueiros. Já vi uma arvorezinha lindamente transformada em árvore de Natal, toda enfeitada, com papeizinhos de bala, por uma moradora de rua. Mas pinheiro cor-de-rosa, ainda não tinha visto. O que será que lembra um pinheiro rosa? Mas o que me intrigou mesmo, foi o pinheiro virado, pendurado pelo pé!

Será que pendurado pelo pé, é o mesmo pinheiro de Natal? Tem o mesmo significado? O que pode expressar? Tem intenção de chamar atenção para algo? Quer comunicar alguma mensagem ou é simplesmente mais um adorno? Fiquei pensando, olhando o pinheiro, pensando e rindo... Agora essa! Que esquisito ver nossa tradicional árvore de Natal, o pinheiro verde, pendurada pelo pé! Uma inovação... Uma inovação...

E quem disse que pinheiro tem que ser verde, tem que ser branco, tem que ser rosa, tem que ser tradicional, tem que estar em pé, com aquela estrela cadente apontando para o céu? Quem sabe este pinheiro, apontando para a terra, não esteja querendo nos dizer que o Jesus Menino não está no céu, que está em nosso entorno, entre tantas pessoas com as quais convivemos, acolhemos, excluímos em nossa indiferença?!

Quem sabe este pinheiro quer que vejamos Deus na terra, já que, na verdade, tão raramente olhamos para o céu?! Quem sabe devemos mudar o foco de nosso olhar, ir além do supérfluo, do superficial, da mesmice, para sermos mais profundos, mais habitados de amor, compaixão e ternura para com as gentes?

Quem sabe devemos, embalados pelo espírito natalino, realizar a catarse, olhando para dentro de nós mesmos com outros olhos, encontrando, dentro de nós mesmos, as mil razões que temos para sermos felizes e não somos, as mil graças que temos para agradecer e não o fazemos, as dezenas de amigos que temos e não valorizamos, as pessoas maravilhosas com quem estabelecemos relações quotidianamente e nem notamos, cujas mãos nunca apertamos, as palavras gentis que silenciamos, os elogios que não damos?!

É... Acho que faz bem este pinheiro de ponta para baixo, mandando olhar para nós mesmos, mandando olhar para a terra, mandando ver que não dá para continuar indiferente ao sofrimento de tantos. É, talvez, o momento de outros nascimentos, da ousadia de mudar de posição, ir para o comprometimento, para a autenticidade, ser feliz.

Valeu, pinheiro de Natal! E pode ser rosa, dourado, azul ou de pernas para o ar. E viva a diversidade, o multiculturalismo! 

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais posts de Guiomar Terra dos Santos