03/04/2018 às 09:53
“Graúdos” na cadeia

Jauri Gomes de Oliveira – Deputado Emérito

Embora o tratamento seja diferenciado, estamos vendo “gente grande” ir para trás das grades, mas o que me parece que seria mais interessante do ponto de vista da vontade do povo, seria a devolução dos valores (que esses graúdos afanaram) ao erário. Com isso, penso que os órgãos responsáveis pelas políticas públicas poderiam ajudar a resolver sérios problemas que carecem de recursos, especialmente na área da saúde, da educação, da ação social e da segurança.
Quanto ao tratamento diferenciado, isso não acontece somente nessa questão de presidiários, pois a diferença salarial é gritante, sem falar no (des) cumprimento de horários. Por paradoxal que seja, quanto mais os “altos” funcionários (pagos com o suado dinheiro do povo) ganham com penduricalhos que engordam os estipêndios desses figurões, mais flexibilidade gozam no cumprimento das tarefas. Essas facilidades incluem desde feriadões prolongados até viagens à Europa ou outras com as maiores mordomias...
Além disso, é preciso lembrar que o uso dos veículos públicos que deveria ser restrito apenas ao serviço e pelos servidores públicos, muitas vezes é desviado dessa finalidade. E os carros acabam sendo utilizados para transporte de familiares dos servidores. Assim não dá... Definitivamente, isso é malversação de dinheiro público.
Nesse campo, deveria haver uma verdadeira revolução, mas isso parece difícil e cada vez mais distante, pois quando a Lava-Jato tenta pôr fim nesse descalabro, tem muitos que querem abafar essa operação (acho que é a velha história dos rabos presos). Então, amigos e amigas, fica cada vez mais distante dar um torniquete nas maracutaias, pois os grandes querem se proteger, e as vozes discordantes desse vale-tudo não ganham espaço na mídia. O povo reage pouco a isso e parece que muitas pessoas já consideram que isso é natural, pois “sempre foi assim”. O que é uma pena... Mas a eleição está aí... Quem sabe o povo acorda. Vamos aguardar?!
 

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais posts de Jauri Gomes de Oliveira