13/06/2018 às 14:15
Por um País mais sensato

Ideias para movimentos e manifestações não tem faltado nas últimas décadas em nosso país. São convites para ir para rua, por uma lista quilométrica de indignações, ir pra rede, ir para cá ou para lá, por cada uma das coisas que passam da conta para um grupo hoje, para outro amanhã e assim por diante. Faz um tempo que venho pensando quantos adeptos teria para promover um movimento social por um Brasil mais sensato.
Há décadas elegemos Presidentes e parlamentares que prometem fazer as reformas que o País precisa, pois todos mostram que mantendo legislações arcaicas, não temos condições de desenvolvimento econômico, social, sustentável. Quando eleitos, por diversos motivos sequer conseguem montar um projeto consistente de reforma, que antes mesmo de ir as votações, o congresso e a populaçãose movimenta das mais diversas formas contra a mudança. A falta de sensatez só não é inacreditável porque vivemos aqui, acompanhando os detalhes.
Há décadas os governos colocam o País como refém do transporte rodoviário, mas não direcionam investimentospara estradas. Cedem a lobbys e pressões do setor, reduzem tributos para aumento da frota de caminhões, mesmo com um PIB estagnado. Lembro que de 2010 a 2017 a frota de caminhões aumentou 34,3% enquanto o volume a ser transportado aumentou 1,3%. Com o mesmo volume para transportar e 1/3 a mais de oferta, é óbvio que o preço do frete iria cair! Acrescenta-se a mudança na política de preços do monopólio controlado pela união para os combustíveis, valorização do dólar por aumento de juros nos EUA, aumento de 60% no preço internacional do petróleo e seria óbvio que algo muito grave iria ocorrer. Parou-se o País por 10 dias, com consequências incalculáveis, tudo para aumentar o preço do frete, buscando a viabilidade do setor com excesso de oferta. No dia seguinte á publicação de medidas que garantiramo aumento das margens dos transportadores, todo o setor produtivo, de agricultores a comerciantese industriários que contribuíram com a paralização se dão conta dos prejuízos que levarão anos para serem cobertos e ainda, de que de as medidas defendidas aumentaram significativamente os seus custos de transporte, com consequências para seus preços. Ou seja, fez-se um movimento pelo aumento do frete e tendo êxito, incrivelmente parte dos manifestantes iniciamum movimento para barrar o aumento. Com estas situações, como é que alguém pode crer que este é um país sensato, seja para investimentos, acordos ou parceria?
Passamos anos, eleições após eleições pedindo mudanças. Escrevemos, discursamos pedindo mudanças e os novos nomes que se atrevem a se apresentar em meio á política tão desgastada são praticamente ignorados pelos eleitores. Vejam as listas de pré-candidatos a Presidente, Governador, Senador, Deputados que estão se apresentando. Tem nomes novos, de bons administradores, e de “ficha limpa”. Pesquisando os curriculuns de alguns me surpreendi positivamente com a coragem e a abnegação de colocarem o nome a disposição em meio a tudo o que se houve falar da política. Por outro lado, muitos destes nomes nem aparecem nas pesquisas, que apontam os mesmos de sempre como favoritos. Como é que um país que passou pelo que passou e ainda passa, com boa parte das lideranças políticas tradicionais presas, ou prestes a ser, que pede veementemente mudanças, que aplaude discursos de mudanças, vota sempre nos mesmos? Onde está a sensatez?
Na sua casa, na família, amigos, empresas, nas suas redes, como podemos fazer um País mais sensato?
Um abraço e até a próxima!

 

Administrador, Especialista em Marketing e Mestre em Engenharia de Produção.

É professor da Unijuí e convidado em diversas IES e sócio e consultor da Referenda Consultoria. Também é colunista de 9 jornais e revistas do interior do RS, blogs e newsletters e ainda é palestrante, pesquisador e escritor, com diversos artigos e 4 livros publicados nos temas planejamento, liderança, marketing e educação. 

Email: marcelo.blume@referenda.com.br

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais posts de Marcelo Blume