21/12/2018 às 15:49
A nova economia e a colaboração

 

 

Diferentemente do que pensam alguns, o futuro não está exatamente a nossa espera e a sua construção demanda mais do que trabalho e dedicação. É preciso haver ruptura com a forma de ver e fazer aquilo que já se sabe que gera resultados indesejáveis.

 

Diante da reconfiguração de cenários políticos, econômicos e sociais no planeta, é cada vez mais clara a percepção de que esse início de milênio demarca um importante momento de transição na história da humanidade, redefinindo velhos conceitos e fazendo emergir novos hábitos, transformando pouco a pouco a maneira de pensar e agir. Entre outras coisas, isso significa produzir, negociar e consumir, nesta cadeia que orienta nossa sobrevivência, de formas diferentes.
 
O pesquisador Danny Quah, da Escola de Economia e Política de Londres, diz que a era do conhecimento começou há bem mais tempo e que com a difusão, o acesso e a escalabilidade, começamos a viver a “economia leve”. Isso significa algo como a desmaterialização dos mercados, ou pelo menos a redução do “peso” daquilo que é material, sobre o restante. Assim, temos economias podendo ser mais produtivas e abrangentes, com menores efeitos colaterais sobre o planeta.
 
Por trás das tecnologias, entretanto, o grande motor das mudanças são as ideias e ações que dão sentido e utilidade aos instrumentos. A nova economia já deu amostras muito fortes do seu caráter colaborativo. Esta nova era permite que as pessoas participem da economia como nunca foi possível em outros períodos da história. Novas formas de colaboração em massa estão mudando a maneira como bens e serviços são criados, produzidos, distribuídos e comercializados globalmente.
 
Entendendo o poder que têm, as pessoas não aceitam mais simplesmente ser uma massa capaz de potencializar as possibilidades favoráveis aos interesses das marcas. Eles querem se sentir donos e querem o direito de produzir, desconstruir, fundir e compartilhar. Veremos como cenário mais bem definido para o sucesso aquilo que tiver ampla participação das pessoas, na criação, produção, distribuição, organização. O autor Pierre Lévy, neste sentido, afirma que é preciso mais valorização técnica, econômica, jurídica e humana de uma inteligência distribuída por toda a parte, e que assim, pode-se desencadear uma dinâmica positiva de reconhecimento e mobilização de diferentes competências.
 
A colaboração e participação têm desenvolvido os mais diferentes setores. O egoísmo, o individualismo, o protagonismo de um só, que muitas vezes são frutos de arrogância, vão perdendo espaço, mercado e prestígio para as iniciativas colaborativas, com grande participação de usuários, fornecedores, proprietários, produtores.
 
Quando fizer seus desejos para o próximo ano, lembre que o futuro não está pronto, precisa ser construído e o caminho é a colaboração entre os diferentes.
 
 
O desejo de um feliz e abençoado Natal aos amigos leitores e suas famílias!
 
 
Um abraço e até a próxima!
 
 
 
 

Administrador, Especialista em Marketing e Mestre em Engenharia de Produção.

É professor da Unijuí e convidado em diversas IES e sócio e consultor da Referenda Consultoria. Também é colunista de 9 jornais e revistas do interior do RS, blogs e newsletters e ainda é palestrante, pesquisador e escritor, com diversos artigos e 4 livros publicados nos temas planejamento, liderança, marketing e educação. 

Email: marcelo.blume@referenda.com.br

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais posts de Marcelo Blume