17/01/2019 às 09:25
Repaginar o varejo

 O varejo vem passando por tantas mudanças, que é possível recomendar a quem ainda não mudou muito, uma revisão completa dos conceitos, práticas, estruturas e atitudes. Neste ramo, é facilmente perceptível a decadência daqueles que não se dispõem a mudar.

 

Lojas físicas, isoladas, ou em Centros Comerciais estão fechando suas portas, independente do tempo de existência ou da sua tradição, simplesmente porque não se dispuseram a acompanhar ou a entender o momento do consumidor. Algumas das características mais marcantes desta situação podem ser percebidas por:
- Crescimento constante e exponencial do comércio eletrônico;
- Redução drástica das margens de rentabilidade para fazer frente ao acirramento da concorrência;
- Alta taxa de endividamento de várias redes de varejo global;
- Novos comportamentos dos consumidores, especialmente das gerações mais jovens;
- Aumento do número de pontos de venda com oferta acima da evolução de demanda.
 
É certo que o varejo físico continua e continuará se expandindo e evoluindo, pois as mudanças deixarão mais fortes aqueles que souberem superar as dificuldades, inovar e se diferenciarem. Alguns vão ficar pelo caminho, mas serão os que optarem por não evoluir com o setor.
 
Uma das características mais marcantes que veremos crescer a partir de agora é a redução do número de lojas somente físicas e somente online, pois as que mais crescem no momento são aquelas que têm estes dois e até mais canais funcionando junto e ao mesmo tempo, aproveitando melhor as vantagens competitivas de cada modelo.
 
Temas como cuidados com a saúde, envolvendo bem-estar físico, mental e espiritual, mesclando medicina, tecnologia, ciência, espiritualidade, alimentação natural, orgânicos, onde a saudabilidade vem antes do preço, sabor, cor, e outras lógicas de consumo estão adentrando cada vez mais nos mais variados ramos do varejo. Nesta linha, recomenda-se que a empresa tenha uma causa bem definida, conhecida e relevante para seu público desejado. Outra característica marcante nesta revolução do varejo é a estética, pela qual boa parte das áreas do comércio deve passar para manterem-se vivas. A tendência minimalista das exposições internas e externas, expositores, pontos quentes, vitrines e fachadas já causa uma boa diferença para as empresas que a adotam. Simplicidade com muito bom gosto, objetividade com foco no interesse do cliente desejado, são as tendências de sucesso no momento.
 
Verificam-se muitas lojas tradicionais enfrentando seus períodos mais difíceis, situadas próximas de outras que surgem vigorosas. Um fator que contribui é o comportamento e busca daquilo que é diferente, em alguns casos exótico e simbólico, mas também daquilo que é natural e gera novas e mais experiênciasque está presente nas tendências do varejo. É a chance das empresas nascentes, das novas marcas se expandirem para o Brasil, das marcas brasileiras consolidadas avançarem para o exterior.
 
O varejo ainda vai seguir mudando e o caminho é a diferenciação da oferta, diferenciação de marca, causas relevantes e experiências marcantes para os seus públicos. Quem ainda não começou a sua revolução no varejo, agora é a hora.
 
 
Negócios melhores para 2019 é o que desejo a todos os leitores! Um abraço e até a próxima!
 

Administrador, Especialista em Marketing e Mestre em Engenharia de Produção.

É professor da Unijuí e convidado em diversas IES e sócio e consultor da Referenda Consultoria. Também é colunista de 9 jornais e revistas do interior do RS, blogs e newsletters e ainda é palestrante, pesquisador e escritor, com diversos artigos e 4 livros publicados nos temas planejamento, liderança, marketing e educação. 

Email: marcelo.blume@referenda.com.br

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais posts de Marcelo Blume