22/03/2019 às 15:54
Só potencial não basta!

 

Sempre que vejo um negócio com potencial encerrando atividades, fico entristecido e pensando porque os responsáveis não fizeram o que deveriam. É preciso lembrar que os negócios com potencial também “quebram”, pois além do potencial, é preciso planejamento, praticidade, dedicação, qualificação, assertividade e agilidade.

           
Quando um negócio tem grande potencial de mercado mas seus gestores agem somente no curto prazo, sem planejamento adequado, sem gerenciamento de custos e de crescimento de mercado, abrem-se as portas para um mundo de dificuldades. Ter potencial não basta quando não se sabe onde se quer chegar. Quais os resultados desejados e os indicadores de produção, de rentabilidade e o que precisa ser feito para chegar nos objetivos de longo prazo é fundamental. Um negócio que só reage quando ocorre algo diferente, mesmo com potencial, esperando que os fatos aconteçam para somente depois decidir o que fazer,não tem muito futuro, ou seja, um negócio que não tem planejamento, tem grandes volumes de ações não planejadas em andamento e uma pilha de ações planejadas a espera de "tempo" para ser implementadas. Ainda, é importante lembrar que um planejamento sem execução não contribui em nada com o aproveitamento do potencial do negócio.
 
Os negócios com potencial de mercado e com dificuldades de se manter, muitas vezes tem uma complexidade maior do que deveriam, para serem eficazes no que se propõe. Vistos, formulários, processos extremamente burocráticos, com muitas conferências e decisões que demoram mais do que precisariam, não levam a lugar algum e ainda podem ajudar a quebrar um negócio.
 
Dentre os principais motivos da inviabilização de um negócio com potencial está a falta de qualificação profissional. Executivos quedelegam tarefas a quem não tem competência para executá-las, com a desculpa de que os melhores são caros, na verdade tem medo de ouvir que estão errados. Quem comete este erro mantém pessoas com baixa competência, que aceita tudo o que o chefe manda, mas não produzem, nem resolvem o que precisa. São gestores que utilizam a parábola da janela e do espelho: se der certo olham no espelho, mas se der errado, olham pela janela.
 
Com frequência me impressiono com a quantidade de vezes que ouço de empresários, gerentes, executivos, coordenadores,expressões como "estou muito ocupado" ou "estou trabalhando demais" ou outra neste sentido. Quando a pessoa se dá conta de que está nesta situação, isto deveria ser um alerta importante, pois é fato que quem cuida muito do operacional, não administra o negócio. Quando alguém tenta fazer os dois, a gestão do negócio sempre sai prejudicada e pode levar a inviabilização. A evidência mais clara é que aqueles que estão sempre muito ocupados para planejar e organizar, encontram tempo para corrigir os erros, depois que as consequências aparecem. Na verdade passam a maior parte do seu tempo corrigindo problemas que não haveriam, se tivessem dedicado tempo para uma boa gestão do negócio e dos processos, deixando o operacional para a equipe. Estes são gestores que preferem passar a maior parte do tempo “apagando incêndios”do que algum tempo planejando, criando estratégias para vender mais, ampliar o mercado, buscar novos negócios, treinamento para si e para a equipe, dentre outros.
 
Negócios que quebram mesmo tendo potencial geralmente também tem o vício da procrastinação, ou popularmente “empurram com a barriga”, ou seja, sabem dos problemas dos seus negócios, mas ao invés de fazer o que tem que ser feito, preferem acreditar que seus problemas se resolvem somente com livros, cursos e palestras de motivação e auto-ajuda, ou ainda pior, preferem acreditar em sorte, azar, olho gordo, e afins. Enquanto isso vão sendo proteladas decisões sobre dívidas, bancos, fornecedores, impostos, aumento de vendas, novos produtos, e quando decidem fazer alguma coisa, já é tarde demais.
 
 
Aqueles que se acham pequenos deuses do seu negócio, e entendem que somente os empregados precisam aprender, que os outros é que precisam de ajuda, que repetem desculpas como "falar é fácil, eu quero ver é no dia a dia", podem ter um grande potencial na mão, que mesmo assim, entrarão em dificuldades. Quem tem um negócio com potencial precisa buscar novos mercados, qualificar-se e à sua equipe constantemente, melhorar o atendimento ao cliente e simplificar os processos internos, antes que seja tarde.
           
 
Um abraço e até a próxima!

Administrador, Especialista em Marketing e Mestre em Engenharia de Produção.

É professor da Unijuí e convidado em diversas IES e sócio e consultor da Referenda Consultoria. Também é colunista de 9 jornais e revistas do interior do RS, blogs e newsletters e ainda é palestrante, pesquisador e escritor, com diversos artigos e 4 livros publicados nos temas planejamento, liderança, marketing e educação. 

Email: marcelo.blume@referenda.com.br

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais posts de Marcelo Blume