18/07/2017 às 14:41
MUDANÇA DE HUMOR
Há pessoas oscilantes. Gangorras. Do céu ao inferno. Da alegria à tristeza.
Ao encontrar uma senhora, mais de sessenta anos, ela reclamou: ‘Por que será que, no inverno, a cara está sempre amassada, enrugada? As dobrinhas se salientam, ou se multiplicam. Olho no espelho uma face desconhecida!’. A resposta veio, prontamente: ‘Ora, não se olhe no espelho, assim, não vê nada disso. Simples!’.
Outra, certa vez, falou, que ao ir a um casamento, a noiva era tão feia, que parecia estar do lado avesso.
Não são rugas, meramente, físicas, que abalam uma face. Ademais, preocupações com elas dão margem para surgirem outras, sutilmente, pelo fator idade. Quem já partiu, não as vê. É saudável vê-las. É vida.
Estar, sempre alerta, antevendo ‘tragédias’, o humor fica sempre no inferno, na tristeza. Parece até que chama coisa ruim!
Estimular o lado bom da vida constitui meta de psicólogos, professores, psiquiatras... Transmitir ventos otimistas diminuem os monstros na cabecinha de paciente. Faça-a descer para a ‘real’. Olhe à sua volta.
Enfrentar o dia, ver o nascer do sol, cantarolar, espreguiçar-se, falar com o Todo Poderoso, sorrir, agradecer a vida, leva, naturalmente, a uma porcentagem de aquisição de energias biológicas, melhorando quadros de doença existente ou imaginária.
Há tantos desvios de ‘má sorte’ que, nesta conjuntura atual, balança o equilíbrio emocional. Quando a insegurança tramita pelo solo brasileiro, não julgue muito os ‘lá de cima’, fique na alçada municipal. Questione e, importante, ajude a reerguer sua cidade. Ícaros existem. Nem tanto assim!
Uma árvore plantada, externamente ou dentro de você, eleva e colore quem a vê. Faça algo. Mude o humor. Você é peça do quebra-cabeça organizacional do local onde você habita.
Em vez de enrugar a testa, ajude com toneladas de creme ‘humorizante’. E vá à luta. Xô doença!

Médica

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais posts de Norma Benvenuti