30/04/2018 às 10:55
ANDA PARA TRÁS

... Quem fica parado.
Preocupa o objetivo da vida do trabalhador brasileiro com aquela ideia fixa de ‘se aposentar’. Parece que trabalho, emprego só causam atrapalho.
A não acomodação conduz o cérebro a mexer com os neurônios, procurando sempre resolver o destino de suas atividades. Quando ele não é solicitado, fica na pasmaceira e aí... Outros passam à frente e você não avança como trabalhador, ser humano de bem com a vida. A fila anda e você está parado.
Estatísticas preenchem noticiários, dando a entender que ‘trabalhadores’ estão desempregados por falta de locação. Será, realmente, isto?
Dá para raciocinar de outro modo. Quem são os desempregados? Pessoas que não se qualificaram, não estudaram, não desenvolveram nenhuma habilidade. Muitos confiaram na posição ‘folgada’ dos familiares.
Atualmente, com tantos cursos técnicos, gratuito ou não, difícil sustentar a falácia do desemprego.
O setor de serviços sofre com isto. A incapacidade, incompetência, conversa sem conteúdo, emerge num mundo em que os entrevistados ‘se acham’ os tais.
A educação, mais uma vez, ostenta a soberania de preparação do jovem ou adulto para o trabalho. Parece sempre o mesmo refrão!
A acomodação da dita ‘terceira idade’ surge como fator preocupante. Ter-se-á mais idosos com cérebros definhando. ‘Agora vou descansar’. Cuidado! Olha o sempre.
Com mais aposentados, mais doenças senis. HAS, diabete, cardiopatas, artropatias... Tratamentos existem. Mas, e o cérebro, o poderoso chefão? Urge muita leitura, aprendizagem nova, exercícios físicos, metas...
Dia do Trabalho. Feriado? Não gera um paradoxo?
Não pare. Somente no trânsito quando este exige.
O trabalho espanta três males: o vício, a pobreza e o tédio (Voltaire).


 

Médica

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais posts de Norma Benvenuti