20/08/2018 às 15:33
NÃO VERÁS

 

Ou melhor, tornes a ver.

         Põe teu espírito patriótico a funcionar e verás, então, brotar ou crescer, um sentimento de amor a este chão, cultuado por teus ancestrais.

         Quem não se entusiasma ao ouvir os primeiros acordes do Hino Nacional Brasileiro, composto por Francisco Manuel da Silva? Basta olhar em volta e verificar todos, respeitosos, na posição ereta, olhares fixos no Pavilhão Nacional, tremulando ao vento ou subindo ao mais alto lugar do pódio, suspirando fundo, iniciando a cantar a letra belíssima de Joaquim Osório Duque Estrada.

         Na vizinha Argentina, zona fronteiriça da região do rio Uruguai (Corrientes e Missiones), se viu, crianças, adolescentes e adultos, na data alusiva a San Martin, o entusiasmo, o cântico forte, uniformizados (‘tapapó’ branco, saias pregueadas, gravatas, meias ¾, sapatos pretos), externando seu amor pátrio.

         Será que não está faltando, nos adultos brasileiros, exemplos verdadeiros de orgulho nacional para distribuir, gratuitamente, a crianças e jovens? O exemplo adulto se ‘copia e cola’ na educação infantil e adolescente.

         Torne a ver um país forte, patriota, deixando de lado a mesquinharia mercenária de muitos ocupantes de cargos eletivos. O Brasil é meu, teu, nosso.

         Torne a ver no vislumbre de olhares infantis, a grandeza da pátria, na família, na escola, na instituição, na realização de muitas efemérides.

         Torne a ver um país com amor a este chão, nos verdes das matas, nas paisagens lindíssimas, riquezas de sua gente com seus costumes sui generis (não copiados), o burburinho de múltiplas atividades, sorrisos felizes.

         Torne a cantar e encantar com o que tem a seu redor. Aches a riqueza da cultura, da história, da arte, da tecnologia que veio para somar. Torne a ser, realmente, brasileiro.

         O Dia da Pátria se aproxima.

         Mostra a tua força com bravura, pois ‘não verás nenhum país como este’ (Olavo Bilac).

 

 

Médica

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais posts de Norma Benvenuti