13/02/2019 às 10:29
PENTE FINO

 Operação desencadeada.

            Usar um objeto feito com cerdas firmes, fixas, finas, serve para separar fios de cabelo, enrolados, desembaraçando-os.
            O termo está em moda, up.
            Numa repartição pública há os que, realmente, trabalham, os sempre descansados, e, ainda, aqueles que fazem de conta. Ainda há mais categorias, provavelmente.
            No serviço particular, as formas são mais claras, cada um, ocupando seu lugar e, obrigatoriamente, tendo que apresentar resultados ou metas. O chefe exige. Não cumpriu? Vai ter que operar em outra freguesia.
            Máquina enxuta parece ser o objetivo de novos gestores públicos. Somente concursados. Diminuir os apadrinhados, cargos comissionados. Protecionismo já era. Tomara! Nada de muitos chefes e poucos índios. Inverter. Nada de secretário do secretário do secretário... Enxugar a máquina pública, ou mesmo privada, é dever de todo gestor.
            Observar horas, realmente, trabalhadas. Realocar cargos, transferências.
            Há gente de olho no seu ‘banquinho de estimação’, pois existe planejamento de fechamento de algumas repartições, concentrando-as em municípios regionalizados. A operação pente fino está desfraldada.
            Observar trabalhadores públicos num conserto de rua, bueiro, calçada. O motorista encostado no muro mais próximo. O chefe da operação conversando com transeuntes. Uma vez que outra alguma ordem. Um alcançando material, outro fazendo o serviço, realmente. Outro bebendo água ou comendo. E o mês correndo...
Isto acontece em quaisquer repartições federais, estaduais ou municipais.
            No serviço privado. Não rende? Substitui por outro. Quem vai ao ar, perde o lugar.
            Pente fino? Usar para aqueles bichinhos do couro cabeludo, principalmente de crianças. Revisar os pequenos todos os dias. Um passa para o outro, facilmente.
            Pente fino também tem outros significados. Não somente varredura em serviços. Aquela comadre fofoqueira...
 
 
 
 
 

Médica

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais posts de Norma Benvenuti