10/05/2019 às 17:29
NO TOPO

 No trono ou no pódio.

            Relâmpagos trespassavam os céus. Raios múltiplos. Barulho ensurdecedor e amedrontador dos trovões. Medos. Angústia. Onde andarão rebentos costumeiros rueiros?
            Chuva torrencial. A roupa estará molhada? Frio? Resfriado. Gripe. Pneumonia.
            São muitas noites insones.
            Lactação. Temperatura tipo elevador. Termômetro dança.
            Passos claudicantes. Primeiros. Vai cair!
            Linguajar típico. Somente ELA entende.
            Mãos desgovernadas. Rabiscam as primeiras letras. Garatujas lindas! Paciência. As redondinhas e alinhadas surgirão.
            Que é isto? Isso? Aquilo? A fase das perguntas. A idade da razão (tomara que continue para sempre).
            Ficar ‘gente’. Toma lugar na adolescência. ‘Se acham’! Senhores do universo. Sabem tudo (talvez de celulares). Contudo, disfarçarão, solenemente, do medo da vida. As depressões podem surgir, até, realmente, entender que nada do humano é 100%. Futuro incerto. ELA, angustiada, fica de olho. Sensatez. Por vezes temerosa. Guia de plantão nas folgas e nos apertos.
            E, afinal, chega a adultez. Descanso? Quem dera!
            O caminho foi traçado. Acompanhamento. Nada de dormir no ponto.
            O caleidoscópio da vida ressurge na sequência familiar.
            Sempre serão os pintinhos desprotegidos.
            A semente lançada, porém, em toda esta trajetória, fará surgir seres maleáveis, frutos maduros e saudáveis.
            ELA, alerta, permanece no topo, no trono, no pódio.
            ELAS que o façam por merecer, principalmente, neste mundo tomado pela insensatez, futilidade, consumismo e egoísmo.
            Parabéns às genitoras de fato, fé e foco, incluindo as não biológicas, que assumem na grande obra do Criador, a missão de nortear cabecinhas sequiosas de alguém para ouvi-las e assumi-las.
            O topo mariano dá lugar a ELAS. Oremos pelas que já estão noutra dimensão.
 
 
 
 
 
 
 

Médica

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais posts de Norma Benvenuti