06/09/2018 às 13:45
Brasil perde Beatriz Segall, consagrada atriz brasileira de teatro, cinema e televisão
Brasil perde Beatriz Segall, consagrada atriz brasileira de teatro, cinema e televisão
Na foto, Beatriz Segall nos anos 1950

 Morreu nesta quarta-feira, dia 5, a consagrada atriz brasileira Bestriz Segall, aos 92 anos. Entre os principais papéis que já desempenhou na sua carreira, o de Odete Roitmann foi o que mais lhe rendeu fama. A personagem foi assassinada e a novela quase toda era baseada no mistério “de quem havia cometido o crime”.

Beatriz Segall era professora de francês e começou a estudar teatro no início dos anos 1950. Trabalhou com Henriette Morineau. Em Paris, prosseguiu os estudos e conheceu Maurício Segall, filho do pintor Lasar Segall, com quem se casou em 1954 e teve três filhos: o diretor de cinema Sérgio Toledo, Mário - arquiteto e professor - e Paulo. Nessa época, abandonou a carreira para retomá-la somente em 1964.

No início da década de 1970, seu marido foi preso, pois fazia parte da ALN - Aliança Libertadora Nacional, fazendo com que passasse por um período de dificuldades.

Fez longa carreira, sempre voltada ao teatro, embora tenha trabalhado no cinema, onde estreou em 1950, no filme A beleza do diabo.

Interpretou vilãs, que marcaram a história da televisão brasileira, como Lourdes Mesquita, de Água Viva, em 1980, e Odete Roitman, de Vale Tudo, em 1988, na Rede Globo, considerada por muitos como 'a maior vilã da televisão brasileira de todos os tempos'. O jargão "Quem matou Odete Roitman?" (referindo-se ao assassinato da personagem) é até hoje repetido em alusão aos mistérios das tramas em telenovelas.

Recebeu vários prêmios na carreira, dentre os quais, os prêmios Governador do Estado, Prêmio Shell e Mambembe.

 

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais notícias em Geral