10/09/2018 às 09:14
APERTE O PLAY - Carlos Garcia

Maestrick: Um outro patamar no Rock Progressivo Nacional

 Fundada em 2006, em São José do Rio Preto (SP), o Maestrick surpreendeu a crítica especializada e os fãs do Rock/Metal Progressivo, tanto aqui no Brasil, como no exterior, com seu ótimo álbum de estreia, “Unpuzzle” (2011). O álbum mostrava uma diversidade musical bela e complexa, com elementos diversos colocados de forma inteligente, com a música se conectando à várias formas de arte, como cinema, pintura, literatura e artes cênicas. Os integrantes chegaram a se referir à sua sonoridade como uma “Aquarela Musical”. A produção foi muito bem cuidada, desde a arte da capa, passando pela produção sonora e canções criativas, surpreendentes e com belos arranjos. Depois de uma grande estreia, era natural a expectativa criada para o próximo trabalho, além de uma certa responsabilidade sobre o Maestrick, a de apresentar um álbum tão bom, ou superior a estreia.

O novo trabalho vinha sendo arduamente trabalhado, e as primeiras previsões para lançamento para final de 2016 e depois para 2017, acabaram não se concretizando. Mas, enquanto o novo disco não era finalizado, a banda lançou o EP “The Trick Side of Some Songs”, que reuniu releituras no estilo Maestrick para clássicos de algumas bandas que os influenciaram, como Beatles, Jethro Tull, Yes, Pink Floyd, Rainbow e Queen.

Agora em 2018, finalmente vem à luz o novo trabalho, um álbum duplo e conceitual, batizado “Espresso Della Vita”, e a história é uma metáfora sobre a vida humana pela perspectiva de uma viagem de trem durante um dia. Nesta primeira parte, intitulada “Solare”, podemos acompanhar o começo da história, embalada naquela citada “aquarela musical” do grupo, transitando principalmente pelo Rock Progressivo e Classic Rock, além de englobar elementos de música brasileira e outras surpresas. São doze músicas, representando as doze primeiras horas do dia, das seis da manhã até às cinco da tarde. Fala do embarque do personagem, ou nascimento até o meio da vida. A produção sonora é excelente, e cada instrumento, cada arranjo pode ser ouvido com clareza. E não poderia ser diferente, para um disco com tantos detalhes a serem apreciados. É um trabalho a ser degustado como um todo, e com certeza você irá se surpreender com a qualidade de canções como “I A.M. Living”, “Water Birds”, “Penitência” e “Hijos De La Tierra”, que contou com participação de sete músicos de países diferentes da América do Sul. Confira o trabalho do grupo nas plataformas digitais ou adquira sua cópia física direto com a banda ou em lojas especializadas como www.diehard.com.br.  A banda tem a assessoria da Som do Darma, de SP (www.somdodarma.com.br).

 

Comentários

Nenhum Comentário. Deixe o seu comentário!

Mais notícias em Geral