Aprovado projeto que incentiva o roteiro Caminho das Missões
12 de Abril de 2018 às 15:32
Aprovado projeto que incentiva o roteiro Caminho das Missões

Desde 2002, a pé ou de bicicleta, turistas e moradores da Região Noroeste se aventuram por estradas antigas abertas pelos padres jesuítas e índios guaranis, para fazer o Caminho das Missões, trajeto que conforme proposição aprovada na Assembleia Legislativa, nesta terça-feira, dia 10, passa a ser declarado de relevante interesse cultural dos gaúchos, passando a integrar o “Calendário Oficial de Eventos do Estado”. O projeto de lei, de autoria do deputado Eduardo Loureiro (PDT), passou por unanimidade, e agora segue para sanção do governador José Ivo Sartori.

O Caminho das Missões é um roteiro turístico de aventura, histórico, cultural e religioso, percorrendo antigas estradas de chão batido que ligavam as reduções jesuíticas-guarani, com início em São Borja, onde ocorreu a primeira redução do segundo ciclo missioneiro, no ano de 1682. O caminho, cada vez mais procurado por turistas também de fora do Estado e do Brasil, termina em frente a Catedral Angelopolitana, em Santo Ângelo.

No trajeto, peregrinos passam por Garruchos, para visitas em estâncias às margens do Rio Uruguai, seguindo por São Nicolau, onde situa-se a primeira redução do primeiro ciclo missioneiro, a partir de 1626. Na sequência, visitam São Luiz Gonzaga (1687) e o distrito de São Lourenço (1690); continuando até Caibaté, no Santuário de Caaró, local onde ocorreu o martírio dos Três Santos Mártires Missioneiros: Roque Gonzales, Afonso Rodrigues e João de Castilho. Na etapa final, chegam em São Miguel das Missões, no Sítio Arqueológico tombado pela Unesco, como “Patrimônio da Humanidade”, indo depois até a Redução de São João Batista, já em Entre-Ijuís, e concluindo o percurso em Santo Ângelo, última redução dos 30 povos missioneiros na América do Sul, datada de 1706.