Secretaria Estadual da Saúde confirma caso de sarampo em São Luiz Gonzaga
07 de Junho de 2018 às 16:14
Secretaria Estadual da Saúde confirma  caso de sarampo em São Luiz Gonzaga

O Rio Grande do Sul possui um caso importado confirmado de sarampo, em São Luiz Gonzaga. A informação é da própria Secretaria Estadual da Saúde, e trata-se de uma criança de apenas um ano de idade, não vacinada, que se contaminou em viagem a Europa, local onde está ocorrendo um surto da doença.
Segundo informou Patricia Bressan, que é chefe do Centro de Saúde, São Luiz Gonzaga teve em março, um caso importado de sarampo. “Estamos em fase de eliminação do sarampo no Brasil. Foram investigados contatos e foi lançado o alerta epidemiológico aos municípios da região, na época, pois tínhamos o receio que houvesse contágio de outras pessoas pela alta transmissibilidade”, disse Patricia. Felizmente, segundo ela, ficou só neste caso, que sendo importado, significa que não foi contraído aqui, pois o Brasil ainda está em fase de eliminação da doença.
A vacina tríplice viral é a ferramenta preventiva nestes casos. “Em maio, tivemos uma nova suspeita de sarampo, fizemos todo o processo de investigação, juntamente com a Coordenadoria Regional de Saúde, mas neste segundo caso, foi descartado sarampo, era uma parvovirose”, informou a chefe do Centro de Saúde.
O Rio Grande do Sul e São Luiz Gonzaga (principalmente) estão em situação de alerta epidemiológico. As unidades e instituições de saúde foram instruídas a estar sensíveis à suspeição de casos, sempre que houver febre com exantema (uma erupção aguda e generalizada da pele) nos pacientes atendidos.
A criança confirmada de São Luiz Gonzaga, adquiriu o vírus em viagem ao exterior. Os pais teriam participado de um tour pela Europa, visitando vários países, onde ainda é comum encontrar a doença, diferentemente daqui do Brasil, onde não existem casos para contágio. Um problema que pode surgir com os venezuelanos, que têm vindo para o Brasil, pois lá o sarampo existe. Um risco a mais para voltarmos a ter a doença no país.
Em Porto Alegre, cinco casos suspeitos estão sendo investigados. Todos ainda sem confirmação. O primeiro suspeito tem histórico de viagem a Manaus, onde também há ocorrência de surto. As Américas foram consideradas livres de sarampo em setembro de 2016, após a ausência da circulação do vírus pelo período de 12 meses. O Brasil já possui 104 casos confirmados da doença, todos considerados importados. Além do RS, a doença apareceu em Roraima e Amazonas.
Qualquer indivíduo que apresentar febre e manchas no corpo acompanhado de tosse, coriza ou conjuntivite, deve procurar os serviços de saúde para a investigação diagnóstica, principalmente aqueles que estiveram recentemente em locais com circulação do vírus. Casos suspeitos devem ser informados imediatamente às Secretarias Municipais de Saúde ou para o Disque Vigilância, através do número 150.
A mais efetiva forma de prevenção é a vacinação. Para ser considerada vacinada, a pessoa precisa ter o registro em caderneta de vacinação conforme esquema vacinal. A rede pública de saúde disponibiliza gratuitamente a vacina Tríplice Viral para a população de 12 meses a 49 anos de idade, e para profissionais de saúde e demais pessoas envolvidas na assistência à saúde hospitalar.
São considerados vacinados:
- Pessoas de 12 meses a 29 anos que comprovem duas doses de vacina com componente sarampo/caxumba/rubéola;
- Pessoas de 30 a 49 anos que comprovem uma dose de Tríplice Viral;
- Profissionais de saúde independente da idade, que comprovem duas doses de Tríplice Viral.
Qualquer dúvida, dirija-se ao posto de saúde mais próximo com sua caderneta de vacinação, ou entre em contato com o Disque Vigilância- 150.