A Dança da Efemeridade

  • 30 de junho de 2023

A vida, esse dom preciosamente efêmero, desenrola-se diante de nós como um bailado fugaz. Cada dia, cada hora, cada instante é uma coreografia única, repleta de nuances e movimentos delicados. No entanto, muitas vezes somos incapazes de apreciar plenamente essa dança, de nos deixarmos levar pela melodia da existência.

Amar a vida é compreender sua natureza passageira, é reconhecer que cada momento é único e irrepetível. Assim como uma flor que desabrocha e murcha, somos parte de um ciclo que nos impele a aproveitar cada instante, a valorizar as pequenas coisas que compõem a tapeçaria da nossa existência.

É fácil se perder nas preocupações diárias, nas obrigações que parecem sugar nossa energia e nossa alegria. O relógio avança impiedosamente, e muitas vezes nos esquecemos de que o tempo é um recurso finito. No entanto, ao abrir os olhos para a beleza efêmera que nos cerca, descobrimos um mundo de maravilhas que estava ali o tempo todo, esperando para ser contemplado.

Quantas vezes passamos por uma árvore em flor sem notar a delicadeza das pétalas dançando ao vento? Quantas vezes deixamos de saborear um momento compartilhado com um ente querido, distraídos pela correria dos dias? A vida é uma sinfonia de pequenos detalhes que, quando reunidos, formam um espetáculo grandioso.

Ao dar valor às pequenas coisas, aprendemos a desacelerar e a mergulhar no presente. É nas sutilezas do cotidiano que encontramos a essência da felicidade, como a risada de uma criança, o aroma de uma xícara de café pela manhã ou o calor reconfortante de um abraço. São essas pequenas preciosidades que nos conectam ao momento presente, nos lembrando de que cada instante é uma dádiva a ser saboreada.

A efemeridade da vida nos desafia a viver com plenitude, a aproveitar cada oportunidade que nos é concedida. É como se o tempo nos segredasse ao ouvido: “Aproveite-me enquanto posso ser aproveitado, pois sou como um pássaro que, em um instante, alça voo e desaparece no horizonte”. E assim, percebemos que a vida é uma dádiva fugaz, mas é justamente nessa fugacidade que reside sua beleza singular.

Portanto, convido-te a dançar essa dança efêmera, a abrir os braços para a vida e a mergulhar de cabeça em cada momento. Ame a vida, com todas as suas imperfeições e contradições, e permita-se ser cativado pelas pequenas coisas que a tornam única. Pois, no fim das contas, é a atenção aos detalhes que transforma uma simples existência em uma verdadeira obra-prima.

Envolto nessa dança efêmera, compreendemos que cada momento é uma oportunidade para amar, para aprender, para crescer. Que possamos aproveitar cada instante como se fosse o último. E que isso não seja clichê. Leia de novo: último. Será que haverá de novo?

Edição inédita do programa Corsan Negocia incentiva regularização de clientes inativos

Agentes da Corsan irão visitar, a partir da próxima segunda-feira, 3, os imóveis que estão com matrículas inativas ou suspensas…

Emissão de carteira de identidade é retomada em São Luiz Gonzaga

Voltou a funcionar na terça-feira, dia 28, o serviço de emissão de carteira de identidade no posto de identificação do…

Município adquire 50 toneladas de asfalto para recuperar ruas

A Secretaria de Obras de São Luiz Gonzaga aguarda apenas o tempo firmar para iniciar uma nova operação de recuperação…