Capas icônicas inspiradas em pinturas e fotos famosas – Parte I

  • 1 de março de 2024
0c814969-9633-4721-9c6d-2e5c69239540

As capas são imprescindíveis para chamar a atenção do público, e muitas delas são verdadeiras obras de arte, embalando outras obras. Mas, também temos capas que utilizaram ou foram inspiradas em obras artísticas, como pinturas ou fotos que marcaram. A ideia desta matéria, dividida em duas partes, surgiu em um bate papo com o pessoal do grupo São Luiz In Rock, então escolhi para esta primeira parte, 4 capas, incluindo a de “Roots”, do Sepultura, que era o assunto da conversa.

Em um dos mais aclamados discos de sua carreira, “Roots”, o Sepultura utilizou parte da pintura usada na cédula de 1.000 cruzeiros, que circulou entre 90 e 94, escolhida pela combinação com a temática e “brasilidade” do álbum, onde inclusive fizeram composições com participação do povo Xavante. Além disso, a arte já era de domínio público então não teve burocracias com direitos autorais e licenças. A arte da cédula foi criada por Álvaro Alves Martins, projetista da casa da moeda nos anos 90.

O Guns n’ Roses buscou inspiração para seu icônico álbum dividido em duas partes, “Use Your Illusion I & II”, em um detalhe de uma das mais famosas pinturas do artista italiano renascentista Rafael, o quadro “A Escola de Atenas” pintado entre 1509 e 1510. As artes  da capa dos discos foram feitas pelo artista estoniano-americano Mark Kostabi, que usou um esquema de cores amarelo e vermelho para Use Your Illusion I e roxo e azul para II.

Os álbuns levaram o nome das pinturas utilizadas na capa, que o irmão do artista, Paul Kostabi, intitulou Use Your Illusion.

De acordo com Alan Niven, antigo empresário da banda, Axl Rose pagou ao artista Mark Kostabi US$ 75 mil pelo uso da arte, sem saber que as imagens eram de domínio público e evidentemente poderiam ter sido usadas de graça. Ou simplesmente não se importou em pagar pelo trabalho.

O Led Zeppelin em seu primeiro álbum, que trazia então um novo estilo contundente para o mundo da música e do Rock, em faixas como “Good Times, Bad Times”, “Dazed and Confused” e ‘Communication Breakdown’, e a banda precisava de uma imagem apropriada para combinar tanto com a música quanto com o nome. A foto icônica de Sam Shere do desastre de Hindenburg, onde capta o momento exato da combustão do dirigível, foi a ilustração perfeita, combinando com o nome e o estilo musical do Zeppelin.

Bruce Dickinson também utilizou-se de pinturas de artistas emblemáticos em dois de seus álbuns solo. Em “The Chemical Wedding”, de 1998, usou a pintura The Ghost of the Flea (1819-20), de William Blake, e depois em “Tyranny of Souls”, de 2005, usou uma seção do Triptych of Earthly Vanity and Divine Salvation, de Hans Memling (1485). A arte mística e oculta de Blake combinou com a sonoridade e clima que Bruce deu ao disco, e Ghost of the Flea traduz muito do caráter da música. Em “Tyranny of Souls” a capa traz o terceiro painel do tríptico mostrando o Inferno e assim fortalece o conteúdo musical que trata, em parte, dos medos humanos.

Entidades e empresas se mobilizam para promoção do Arroz Solidário

Estão em ritmo intenso os trabalhos de organização da primeira edição do Arroz Solidário. A programação ocorre no próximo dia…

Alunos do IERB criaram desenhos com mensagens de esperança aos atingidos pelas enchentes

Neste mês de maio, as professoras do Instituto Estadual Rui Barbosa, Gisele Silva De Oliveira Guedes e Viviane Siqueira Alves,…

Rock solidário nesta sexta-feira, no Atlanta

Nesta sexta-feira, 24 de maio, junto ao Atlanta Boliche Bar em São Luiz Gonzaga, será realizada a noite do Rock…