Costumes e valores em extinção

  • 19 de abril de 2024

Entre uma consulta e outra, ora puramente neurológicas, ora comportamentais e psiquiátricas, todas centradas em um só órgão: o cérebro, restam breves momentos em que este jovem neurologista reflete sobre o que ocorre na sociedade que adentra e parte por essas portas e paredes que testemunham tanto e permanecem silentes.

No turbilhão da vida moderna, onde a rapidez é a norma e a tecnologia reina soberana, é fácil perder de vista os valores e costumes tradicionais que nos foram legados por gerações passadas. Entre esses costumes, há gestos simples que carregam consigo uma riqueza cultural e um profundo significado de respeito mútuo: o aperto de mão, o uso de “senhor” e “senhora”, além das palavras mágicas “com licença” e “por favor”.

O aperto de mão, gesto tão comum em encontros e cumprimentos, vai além de um simples contato físico. É um símbolo de confiança, sinceridade e respeito mútuo. Nele, encontramos a oportunidade de estabelecer uma conexão genuína com o outro, transmitindo calor humano e reconhecendo sua presença de maneira tangível. No entanto, na era dos cumprimentos virtuais e das interações impessoais, o aperto de mão corre o risco de se tornar uma relíquia do passado, relegado a cerimônias formais ou encontros raros.

Surpreso fico a cada cumprimento frio, a cada mão flácida a ir de encontro a minha, a cada pouco cortês “olá”, morno. Onde foram parar as mãos rijas?

O tratamento cortês, utilizando os termos “senhor” e “senhora”, é outra tradição que vem perdendo espaço em um mundo cada vez mais casual e informal. No entanto, ao empregar essas palavras, não estamos apenas reconhecendo a idade ou posição social da pessoa à nossa frente, mas também demonstrando um profundo respeito pela sua dignidade e experiência de vida. É um lembrete sutil de que, por trás de cada rosto, há uma história única a ser valorizada e respeitada.

Tenho percebido ares de graça por vezes quando pronomes de tratamento são utilizados, como se o fossem antiquados.

Além disso, as expressões “com licença” e “por favor” são pequenos gestos de cortesia que refletem uma atitude de consideração e gentileza para com os outros. Ao pedir licença antes de entrar em um espaço ou solicitar algo com um “por favor”, estamos reconhecendo o direito do outro à sua privacidade e mostrando humildade ao solicitar sua ajuda ou colaboração. Essas palavras simples têm o poder de suavizar interações cotidianas e promover um ambiente de respeito e cooperação mútua.

Assim, convido todos nós a refletir sobre a importância de honrar e preservar esses pequenos gestos de cortesia e respeito. São eles que nos lembram da nossa humanidade compartilhada e nos conectam uns aos outros em um mundo cada vez mais fragmentado. Que possamos, assim, manter viva a chama dessas tradições, passando-as adiante para as próximas gerações, como um legado de respeito e gratidão pelas nossas raízes e pela diversidade que nos une.

É tempo, sim, de tratarmos com respeito e formalidade a todos.

É tempo, sim, de respeitar, sem obrigação de concordar, a opinião de todos.

É tempo, sim, de ouvir os mais velhos.

É tempo, sim, de gentilezas, de cordialidades e de hierarquias morais.

Ainda existe espaço, e sempre existirá em uma sociedade séria, para o tradicional.

Entidades e empresas se mobilizam para promoção do Arroz Solidário

Estão em ritmo intenso os trabalhos de organização da primeira edição do Arroz Solidário. A programação ocorre no próximo dia…

Alunos do IERB criaram desenhos com mensagens de esperança aos atingidos pelas enchentes

Neste mês de maio, as professoras do Instituto Estadual Rui Barbosa, Gisele Silva De Oliveira Guedes e Viviane Siqueira Alves,…

Rock solidário nesta sexta-feira, no Atlanta

Nesta sexta-feira, 24 de maio, junto ao Atlanta Boliche Bar em São Luiz Gonzaga, será realizada a noite do Rock…