CPI para investigar o hospital foi aberta na Câmara de Vereadores

  • 26 de março de 2024
efec1391-e8ea-49a5-8db5-5553c5dd94e0

Ainda na segunda-feira, 18, porém à tarde, durante a Sessão Ordinária da Câmara de Vereadores, a situação do Hospital São Luiz Gonzaga ainda era pauta dos pronunciamentos dos edis no uso da Tribuna. Ao final da Sessão, nos Assuntos da Mesa, foi apresentado o requerimento de abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), de autoria da vereadora Ana Barros (PT), com o objetivo de apurar denúncias sobre o hospital. O requerimento foi aprovado por unanimidade pelos vereadores.

Como funciona a CPI – Conforme o Art. 71 do Regimento Interno da Câmara, a Comissão Parlamentar de Inquérito visa a apuração de fato determinado e por prazo certo, com poder de investigação próprio de autoridade judicial, além de outros previstos em lei.

A CPI terá prazo de 120 dias, prorrogável por mais 60 dias, para conclusão de seus trabalhos. A sua composição será de no mínimo três vereadores(as) titulares e, no máximo, três vereadores(as) que permanecerão na suplência e atuarão nos impedimentos e ausências dos titulares.

Como o vereador que realiza o pedido de formação de CPI passa a integrar a Comissão de forma automática, a vereadora Ana Barros já conta com sua indicação a participar na proporcionalidade partidária. Os demais membros deverão ser indicados e definidos até esta sexta-feira, 22, para início efetivo dos trabalhos.

A CPI, para realizar os trabalhos, poderá requisitar servidores e diligências, convocar indiciados e testemunhas para depor, requisitar documentos e informações e determinar quaisquer providências necessárias ao trabalho da Comissão. Ao término dos trabalhos, a CPI apresentará relatório contendo a descrição resumida de todo o processo, com suas conclusões, que será publicado e divulgado, inclusive por meios eletrônicos, e encaminhado à Mesa Diretora, quando forem indicadas providências de sua alçada; às Comissões Permanentes, conforme o caso, para elaboração de proposição, conforme área de atuação e objeto da providência indicada; ao Ministério Público, para que adote as medidas decorrentes de suas funções institucionais, no caso de conclusão por prática de crime ou de improbidade administrativa; ao Poder Executivo, para adotar as providências saneadoras de caráter disciplinar, funcional, patrimonial, operacional ou administrativo; e/ou à Comissão Permanente que tenha a maior pertinência com a matéria.

Entidades e empresas se mobilizam para promoção do Arroz Solidário

Estão em ritmo intenso os trabalhos de organização da primeira edição do Arroz Solidário. A programação ocorre no próximo dia…

Alunos do IERB criaram desenhos com mensagens de esperança aos atingidos pelas enchentes

Neste mês de maio, as professoras do Instituto Estadual Rui Barbosa, Gisele Silva De Oliveira Guedes e Viviane Siqueira Alves,…

Rock solidário nesta sexta-feira, no Atlanta

Nesta sexta-feira, 24 de maio, junto ao Atlanta Boliche Bar em São Luiz Gonzaga, será realizada a noite do Rock…