É a atitude que nos diferencia

  • 26 de abril de 2024

Nos corredores silenciosos noturnos do hospital, enquanto o eco dos passos ressoava, muitas vezes me encontrei imerso em pensamentos sobre a essência da medicina. Como médico, aprendi que mais do que prescrições e diagnósticos, nossa arte é feita de gestos. Gestos que transcendem o tangível, alcançando o âmago da alma daqueles que cuidamos.

Lembro-me de uma manhã especialmente desafiadora na UTI neurológica. Um senhor idoso iniciou com fortes dores de cabeça e ansiedade estampada em seu rosto enrugado. Enquanto realizava os exames de urgência, pude perceber que o simples ato de segurar sua mão trouxe um alívio palpável. Ali, naquele gesto singelo, residia a essência da nossa conexão humana.

Cada consulta é uma oportunidade de nutrir essa conexão. Às vezes, são palavras de encorajamento que acalentam um coração atribulado; outras vezes, é o silêncio compartilhado que fala mais alto do que qualquer discurso. São gestos que transcendem barreiras linguísticas e culturais, unindo-nos em uma dança de compaixão e compreensão mútua.

Em meio às demandas frenéticas da rotina médica, é fácil perder de vista a importância desses gestos. No entanto, são eles que transformam o ato de cuidar em uma verdadeira jornada de humanidade. Cada olhar, cada toque, é uma oportunidade de oferecer conforto e esperança em meio à adversidade.

Como médico, aprendi que não são apenas as terapias e os tratamentos que curam, mas sim a conexão genuína que estabelecemos com nossos pacientes. É através desses gestos que construímos pontes de confiança e empatia, sustentando uns aos outros nas horas mais difíceis. Mantenho sempre isto em mente.

O mesmo senhor da dor de cabeça não teve sequer tempo de saber o que estava a passar com seu corpo. Fora um AVC hemorrágico extenso que o acometera naquele instante do toque de mãos que o restringiu em um coma imediato e prolongado de 30 dias na UTI da capital e uma sequela na fala grave, que o deixara calado até o presente.

Recebi-o na última semana no consultório surpreso e muito feliz. Um AVC hemorrágico tem uma mortalidade de 50% em 30 dias.  Com a língua não conseguiu agradecer o atendimento médico que o fiz, já que a sequela de fala o restringiu. Mas acenando com a sua mão esquerda, a única hoje com movimentos, em direção à minha mão direita e à sua cabeça em sentido de lembrança, conseguiu deixar a mensagem em sinais: obrigado por ter segurado minha mão naquele momento.

Sinais e atitudes dizem mais que belos discursos.

Entidades e empresas se mobilizam para promoção do Arroz Solidário

Estão em ritmo intenso os trabalhos de organização da primeira edição do Arroz Solidário. A programação ocorre no próximo dia…

Alunos do IERB criaram desenhos com mensagens de esperança aos atingidos pelas enchentes

Neste mês de maio, as professoras do Instituto Estadual Rui Barbosa, Gisele Silva De Oliveira Guedes e Viviane Siqueira Alves,…

Rock solidário nesta sexta-feira, no Atlanta

Nesta sexta-feira, 24 de maio, junto ao Atlanta Boliche Bar em São Luiz Gonzaga, será realizada a noite do Rock…