Marquito Moraes apresenta seu segundo livro, “Desiderato”

  • 16 de fevereiro de 2024
613cfe8a-9abe-44fe-b23c-720ac3d67bd4

O artista plástico, músico e poeta Marco Antônio de Moraes, o popular Marquito, finalizou recentemente o seu segundo livro, intitulado “Desiderato”. A obra, ilustrada pelos conhecidos desenhos do artista feitos com a técnica bico de pena no papel, reúne poesia e imagens na arte de contar a trajetória do Rio Grande do Sul desde os idos tempos de 1737, na época da colonização portuguesa e quando os então “dragões” vieram para estes pagos e mais tarde se tornariam os primeiros estancieiros.

Conforme Marquito, o significado do nome do seu livro, “Desiderato”, remete àquilo que se deseja, um sonho, uma utopia… “é um olhar poético sobre o Rio Grande do Sul”, destaca. A obra é prefaciada pela professora e escritora Guiomar Terra Batú dos Santos, a qual descreve o autor “com capacidade descritiva somente possível a quem vive inserido em um contexto de realidade, que conhece o quotidiano de ontem e de hoje, sabe das agudezas vividas por gente sofrida e feliz num tempo-espaço e que tem propriedade para expor com fidelidade essa realidade”.

Marquito nasceu em 31 de dezembro de 1962, em São Luiz Gonzaga, sendo originário de família tradicional da Timbaúva, distrito de Bossoroca. Hoje, vive com sua família no cerro da Bela Vista, uma coxilha com ares místicos e que reúne particularidades como sendo um ponto de encontro de artistas que se reúnem frequentemente para cantar a história da Buena Terra em meio às sombras das árvores do cerro. E é nesse recinto natural que Marquito encontra a criatividade que dá vida às suas obras, seja na música, no entalhe dos troncos de madeira ou na ponta da caneta bico de pena. Frequentemente, o artista recebe a visita de um ser onírico, o Pajé Minuano: “Depois que encontrei o pajé, minha inspiração se tornou transcendental”, analisa Marquito.

Os primórdios na arte – Segundo Marquito, “desde criança eu já rabiscava desenhos com carvão. Quando estava na escola, em Bossoroca, eu nem copiava os conteúdos das aulas; ficava só desenhando. E, depois que conheci as revistas em quadrinhos de faroeste, aí sim, só desenhava índio e caubói. Mais tarde, em 1982, fui trabalhar no Jornal A Notícia e comecei a trabalhar com pinturas em camisetas, depois artesanato e, finalmente, entalhes na madeira e esculturas”, relembrou.

Sobre “Desiderato”, Marquito resume a obra sob a maneira que realiza o seu trabalho artístico: “Toda arte que eu faço conversa entre si. E, da mesma forma, a história começa, mas não termina; ela continua…”, descreve.

O livro Desiderato apresenta 29 desenhos (incluindo capa e contracapa) mesclando as técnicas bico de pena, traço e pontilhado, enaltecendo o contraste de luz e sombra. A confecção da obra foi possível por meio de cadastro do projeto na Lei Paulo Gustavo, que proporcionou a edição e impressão de 500 exemplares, dos quais 20% serão distribuídos nas escolas municipais de Bossoroca. Conforme Marquito, “embora o Apoio Cultural tenha sido do Ministério da Cultura, fiz questão de colocar o apoio da Prefeitura de Bossoroca, que sempre me ajudou e incentivou nos projetos de minha autoria”, salientou.

Desiderato foi produzido e impresso pelo Jornal A Notícia, contando com arte final de Luiz Homero do Amaral Ávila e revisão de Guiomar Terra Batú dos Santos. A obra estará sendo lançada oficialmente nas próximas semanas, e terá presença garantida nos eventos culturais da região e feiras do livro.

Entidades e empresas se mobilizam para promoção do Arroz Solidário

Estão em ritmo intenso os trabalhos de organização da primeira edição do Arroz Solidário. A programação ocorre no próximo dia…

Alunos do IERB criaram desenhos com mensagens de esperança aos atingidos pelas enchentes

Neste mês de maio, as professoras do Instituto Estadual Rui Barbosa, Gisele Silva De Oliveira Guedes e Viviane Siqueira Alves,…

Rock solidário nesta sexta-feira, no Atlanta

Nesta sexta-feira, 24 de maio, junto ao Atlanta Boliche Bar em São Luiz Gonzaga, será realizada a noite do Rock…