Novas rotinas para enfrentar o verão ardente

  • 9 de fevereiro de 2024

A temperatura próxima dos 40ºC foi a característica do final de janeiro e início de fevereiro. Esse quadro climático se prolongou durante esta semana, com tendência de redução nesse impacto do calor, mas ainda sem informações sobre o que o verão nos reserva ao longo de fevereiro. A chuva de domingo, que perdurou talvez por 45 minutos, foi um alívio, mas quem consultou o termômetro, verificou que a redução do calor foi pequena, mas permitindo que a segunda-feira amanhecesse com uma temperatura amena.

Queiramos ou não, esse calor exagerado é resultado das mudanças climáticas, cuja origem está na forma descuidada adotada pela população, em todo o mundo, em relação ao equilíbrio sustentado por diversos fatores, desde as calotas geladas dos polos do globo terrestre, até rotinas em nossas atividades, inclusive de nível doméstico. Ainda não sabemos como será o inverno, que deve iniciar no final de junho, referência cuja validade precisa ser conferida com a repercussão das mudanças que ocorrem em toda parte.

Depois de desastres climáticos no interior do Estado, mais recentemente Porto Alegre e cidades do entorno, ainda vivem as consequências de um temporal que foi capaz de colocar em pânico a população da capital do Estado e sua região de influência. A destruição foi de tal grandeza, que ainda agora os sinais do ocorrido ainda podem ser vistos em alguns locais da Região Metropolitana.

Agora as atenções se voltam para o Chile, onde incêndios florestais sem precedentes atingiram a região de Valparaíso, no centro desse país, que já deixaram 90 mortos, números divulgados no início desta semana. O próprio governo chileno informa que esse número deve aumentar, em função da grandeza desse desastre climático, tendo em vista a constatação de centenas de desaparecidos.

Infelizmente, ocorre uma sucessão de eventos climáticos ocorrendo no planeta. Nossa atenção acaba voltada ao acompanhamento dessas ocorrências, enquanto a reação ainda é mínima, de parte das autoridades e da população, para controlar esses impactos negativos, que está reduzindo a qualidade de vida a que estávamos acostumados.

Por outro lado, existe a expectativa de que depois da primavera de 2023 e parte do verão fortemente influenciado pelo fenômeno El Niño, o Rio Grande do Sul deve ter meses de trégua das chuvas extremas, vendavais e enchentes, embora precipitações, ventos e quedas de granizo ainda devam ocorrer, com distribuição pelo Estado. Este enfraquecimento, entretanto, gera entre os produtores rurais gaúchos a expectativa da volta de La Niña para o segundo semestre de 2024, que projeta o início de período de transição e neutralidade da temperatura, próxima da média, com o provável início do resfriamento do mar. Com a chegada da La Niña, a primavera e o verão não tendem a ser tão chuvosos como foram em 2023.

É bom lembrar que nossa região já sentia sinais de estiagem, domingo passado, impacto reduzido pela chuva na noite desse dia.

O quadro climático é desafiante, porque se apresenta com alternativas inesperadas. É preciso acompanhar para entender e reagir.

Entidades e empresas se mobilizam para promoção do Arroz Solidário

Estão em ritmo intenso os trabalhos de organização da primeira edição do Arroz Solidário. A programação ocorre no próximo dia…

Alunos do IERB criaram desenhos com mensagens de esperança aos atingidos pelas enchentes

Neste mês de maio, as professoras do Instituto Estadual Rui Barbosa, Gisele Silva De Oliveira Guedes e Viviane Siqueira Alves,…

Rock solidário nesta sexta-feira, no Atlanta

Nesta sexta-feira, 24 de maio, junto ao Atlanta Boliche Bar em São Luiz Gonzaga, será realizada a noite do Rock…