O Dia Mundial do Rock e a Carência de Eventos do Gênero na Região

  • 14 de julho de 2023
Dia Mundial do Rock

O Dia Mundial do Rock, que na verdade não é uma data comemorada mundialmente,  surgiu

por conta do Live Aid, evento que reuniu vários artistas de Rock, que aconteceu em 13 de julho de 1985, tendo transmissão em todo o mundo, e com objetivo de arrecadar dinheiro para fornecer ajuda humanitária no combate à fome na Etiópia. Phil Collins chegou a sugerir que a data ficasse marcada como o dia mundial do Rock.

 

No Brasil é que acabou pegando a data, nos anos 90 o gênero estava muito forte no país, por conta do sucesso de muitas bandas, exposição na MTV e rádios Rock, então as rádios paulistanas 89 FM e 97 FM começaram a mencionar o 13 de julho como Dia Mundial do Rock.

 

Primeiramente os ouvintes dessas rádios foram abraçando a ideia, e depois o público em geral, e segue até hoje, sendo muito bom, porque há programações exclusivas direcionadas ao Rock em todas suas vertentes, com canais e rádios com programações especiais, eventos pelo país, lojas com promoções alusivas, e tudo contribui para uma exposição maior do estilo, e pelo menos em julho temos os meios de comunicação por aqui mais voltados ao Rock.

 

Mas em nossas cidades ou região? Mesmo com a data e mês alusivo trazendo uma visibilidade maior para o Rock, tendo alguns eventos, alguns já tradicionais, pela região, o público roqueiro é muito carente de eventos por aqui. As feiras mesmo, que às vezes traziam atrações voltadas ao público roqueiro, tem só focado em artistas de gêneros mais “populares”, como o sertanejo, e se não fossem alguns bares, ou encontros de motoqueiros, por exemplo, não teríamos praticamente nenhuma opção.

 

Falando na região, em Ijuí, Santa Rosa e Santo Ângelo seguidamente temos visto eventos, inclusive trazendo bandas de renome no cenário nacional e até mundial. E neste mês mesmo, temos como exemplo o evento que se realizará em Santo Ângelo no sábado dia 15, com a secretária de esportes e cultura organizando no centro histórico da cidade o 1° Cidade dos Anjos Rock Fest, show com mais de 10 bandas, estrutura com foodtrucks e arrecadação de agasalhos.

 

Público creio que temos na região, mas o que falta? Em conversas com amigos e também em coisas que tenho notado, alguns dos fatores são um pouco, além da falta de interesse, a convicção dos promotores de que eventos do tipo dariam retorno. Certamente é muito mais confortável trazer eventos de artistas sertanejos. O público em um evento de Rock talvez seja menor, mas os custos também, então me parece que economicamente, seriam viáveis mais eventos voltados ao público Rock, trazendo artistas diversificados dentro do gênero, com nomes reconhecidos nacionalmente, além de bandas da região e do Estado.

 

Outro fator também, muito importante, cabe aos fãs de Rock, de mostrarem que estão aí, aproveitando mais as redes sociais, marcando promotores, bares, responsáveis pela cultura e etc. Depende muito de nós, fãs e simpatizantes do Rock and Roll fazermos nossa parte, inclusive participando dos eventos escassos que temos, mostrando que há público sim, a fim desses eventos crescerem e se tornarem mais recorrentes.

Entidades e empresas se mobilizam para promoção do Arroz Solidário

Estão em ritmo intenso os trabalhos de organização da primeira edição do Arroz Solidário. A programação ocorre no próximo dia…

Alunos do IERB criaram desenhos com mensagens de esperança aos atingidos pelas enchentes

Neste mês de maio, as professoras do Instituto Estadual Rui Barbosa, Gisele Silva De Oliveira Guedes e Viviane Siqueira Alves,…

Rock solidário nesta sexta-feira, no Atlanta

Nesta sexta-feira, 24 de maio, junto ao Atlanta Boliche Bar em São Luiz Gonzaga, será realizada a noite do Rock…