O novo Fast Fashion

  • 14 de abril de 2023
Fast Fashion

Talvez já tenha reparado em uma tendência que vem sendo seguida por lojas de fast fashion desde o ano passado, mas que agora se consolidou de vez: As roupas não tão fast e muito mais fashion.

Se você não sabe o que é um “Fast Fashion”, eu explico: Esse é o termo usado para classificar lojas de roupas que apresentam dezenas de micro coleções anuais. Por possuírem uma produção muito rápida e, em geral, serem as primeiras a trazer as tendências das passarelas ou street style para as prateleiras, essas lojas não costumam investir na qualidade dos tecidos ou até mesmo, em mão de obra bem remunerada. O único objetivo é lotar as prateleiras o mais rápido possível com as principais novidades da indústria a preços o mais baixo possível.

Não é incomum vermos lojas estilo Fast Fashion envolvidas em polêmicas relacionadas à sustentabilidade (Há um descarte muito grande de roupas, a maioria feita com poliéster que é um tecido derivado do plástico) ou de mão de obra mal remunerada (Inclusive trabalho escravo). Porém dessa vez o assunto é exatamente o oposto do que estamos acostumados.

Está cada vez mais comum vermos as lojas desse segmento adotando uma estratégia contrária ao tradicional, e investindo em linhas “Atelier”, com peças de maior qualidade, bons tecidos, acabamento impecável e claro, preços que condizem com o produto que está sendo vendido. Zara, Renner e até C&A já possuem coleções especiais com essa característica.

Acredita-se que essa nova estratégia, de vender roupas de qualidade em coleções menores, é um reflexo dos dois extremos que temos acompanhado desde 2020. O primeiro, é a conscientização de um grupo de pessoas em relação ao consumo excessivo, que pararam de consumir em excesso, especialmente produtos de baixa qualidade. Já a outra vertente está ligada ao oposto, e ao grupo de pessoas que consomem produtos da gigante SHEIN, um dos maiores nomes do Fast Fashion, extremamente problemática em relação à qualidade dos produtos e uso de mão de obra escrava, mas também, com produtos muito baratos.

Em resumo, o Fast Fashion está acabando com o próprio Fast Fashion ao tornar um jogo de quem vende mais barato. E no fim, quem perde com isso? Nós, que gastamos o nosso dinheiro com roupas descartáveis.

Entidades e empresas se mobilizam para promoção do Arroz Solidário

Estão em ritmo intenso os trabalhos de organização da primeira edição do Arroz Solidário. A programação ocorre no próximo dia…

Alunos do IERB criaram desenhos com mensagens de esperança aos atingidos pelas enchentes

Neste mês de maio, as professoras do Instituto Estadual Rui Barbosa, Gisele Silva De Oliveira Guedes e Viviane Siqueira Alves,…

Rock solidário nesta sexta-feira, no Atlanta

Nesta sexta-feira, 24 de maio, junto ao Atlanta Boliche Bar em São Luiz Gonzaga, será realizada a noite do Rock…