Operação desmantela quadrilha que vendia agrotóxicos proibidos

  • 23 de junho de 2023
Draco Operação 23-06-23 1

A Polícia Civil, contando com a participação da Brigada Militar e da Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (defesa animal e defesa vegetal), todos participantes da Operação Hórus, executam na manhã desta sexta-feira, dia 23, 16 mandados de busca e apreensão contra uma célula criminosa que comercializa agrotóxicos de uso proibido no Brasil (especialmente o Paraquat), tendo como bases cidades próximas da fronteira com a Argentina.

Participam da operação mais de 90 policiais (civis e militares) e 13 fiscais, em 38 viaturas e 2 embarcações. Entre as cidades-alvo das buscas estão Porto Lucena, Porto Xavier, Santa Rosa e Santo Ângelo. Segundo a Polícia Civil, a ação é integrante da Operação Hórus, resultado de uma investigação coordenada pela Draco de São Luiz Gonzaga e Departamento de Polícia do Interior (DPI). A quadrilha tinha como sede principal a cidade de Porto Lucena, mas também utilizava cidades estratégicas na região para a distribuição e venda dos agrotóxicos ilegais, como Porto Xavier, Santa Rosa e Santo Ângelo.

O grupo se dividia entre quatro principais vendedores dos agrotóxicos proibidos, com atuação direta junto a produtores rurais do Estado. Esses vendedores contavam ainda com o apoio logístico de pelo menos três fornecedores dos agrotóxicos, que usavam de pontos estratégicos na zona rural de Porto Lucena, local onde armazenavam e escondiam os produtos criminosos. As investigações mostram que uma ilha no Rio Uruguai, na fronteira com a Argentina, era utilizada pelo grupo criminoso para o armazenamento de agrotóxicos proibidos

 

Vereador era um dos chefes do esquema criminoso

De acordo com a polícia, no decorrer das investigações feitas pela Draco de São Luiz Gonzaga, um dos chefes do esquema criminoso ocupa o cargo de vereador num dos municípios alvos das buscas, que não foi revelado. Em áudios coletados no decorrer das investigações, percebe-se indícios de que o vereador realizava a venda de agrotóxicos proibidos inclusive durante a sessão legislativa.

O referido vereador foi preso em flagrante por uma equipe da Draco transportando 500 litros do agrotóxico Paraquat, avaliados em mais de R$ 50 mil. O herbicida  é proibido não apenas no Brasil, mas na maioria dos países produtores agrícolas. O vereador responde a inquérito policial pelos crimes de venda e transporte ilegal de agrotóxicos, associação criminosa e outros crimes.

 

Esquema movimentou mais de R$ 500 mil em seis meses

As investigações da Draco São Luiz Gonzaga abrangem período de tempo aproximado de seis meses. No decorrer dos trabalhos, que contaram também com a participação efetiva dos demais órgãos de segurança pública e fiscalização envolvidos na Operação Hórus, apurou-se que a célula criminosa movimentou, em poucos meses, mais de R$ 500 mil em contas bancárias próprias e de laranjas, especialmente familiares próximos.

Entidades e empresas se mobilizam para promoção do Arroz Solidário

Estão em ritmo intenso os trabalhos de organização da primeira edição do Arroz Solidário. A programação ocorre no próximo dia…

Alunos do IERB criaram desenhos com mensagens de esperança aos atingidos pelas enchentes

Neste mês de maio, as professoras do Instituto Estadual Rui Barbosa, Gisele Silva De Oliveira Guedes e Viviane Siqueira Alves,…

Rock solidário nesta sexta-feira, no Atlanta

Nesta sexta-feira, 24 de maio, junto ao Atlanta Boliche Bar em São Luiz Gonzaga, será realizada a noite do Rock…