Prezado Vizinho

  • 21 de outubro de 2023

Querido leitor, permita-me questioná-lo: você tem verdadeiramente convivido em sociedade? Você, de fato, conhece seus vizinhos? Estas indagações, aparentemente simples, desvelam um cenário que merece nossa atenção.

A convivência em sociedade, o cerne da experiência humana, é um desafio constante, marcado por uma dualidade intrigante. Vivemos em cidades abarrotadas, rodeados por inúmeras pessoas, mas quantos de nós podem afirmar que realmente conhecem seus vizinhos, aqueles que compartilham o mesmo espaço físico?

A urbanização crescente e o avanço das tecnologias de comunicação parecem ter nos afastado do contato humano genuíno, levantando questões profundas sobre o estado de nossa convivência em sociedade.

A correria da vida moderna e as rotinas cada vez mais atribuladas nos deixam com pouco tempo para nos conectarmos com nossos vizinhos, amigos e conhecidos. A pressa é nossa companheira constante, e as redes sociais substituíram o diálogo face a face. Isso nos conduz a uma situação paradoxal: apesar de estarmos sempre rodeados por pessoas, muitos de nós se sentem solitários. A tecnologia veio para ajudar somente aqueles que detém inteligência emocional suficiente para dar a ela o que ela merece: avanços sociais. Contudo, gravemos nós: robôs não substituem afetos, carinho e troca de energia.

O isolamento social é mais do que uma mera consequência das circunstâncias. Muitas vezes, ainda, pode ser uma escolha. A falta de interesse em conhecer os vizinhos e a relutância em interagir com quem vive ao lado estão se tornando um padrão, refletindo uma sociedade em que a individualidade é valorizada em excesso.

Mas a que custo? Perder a conexão com aqueles que compartilham nossos espaços é perder uma parte essencial de nossa humanidade. Vizinhos podem ser uma fonte valiosa de apoio, amizade e pertencimento. Eles podem nos ajudar em momentos difíceis e compartilhar alegrias nas horas de festa. Além disso, o conhecimento mútuo e a solidariedade fortalecem os alicerces de uma comunidade coesa e resiliente.

Neurologistando, dia após dia, tenho a real convicção do isolacionismo que está a assombrar cidadãos que moram em comunidades pequenas até megalópoles. Adultos que moram a 3 metros de distância, que compartilham paredes lado a lado por décadas, e que comem comida sem sal nos domingos por não tomarem a atitude de tocar uma campainha e carinhosamente conectarem-se: “João, preciso de uma pitada de sal. Consegue-me?”. Não conseguirão o sal, inertes em suas casas. Mas conseguirão depressão, ansiedade e pânico.

A resposta às perguntas iniciais é vital. Conviver em sociedade não deve ser uma mera coexistência, mas sim uma oportunidade de interação e cooperação, de conhecer aqueles que nos rodeiam, de partilhar e construir relações que enriqueçam nossas vidas. Se você ainda não o fez, talvez seja hora de bater à porta do seu vizinho, compartilhar um sorriso e iniciar uma conversa. Afinal, a verdadeira riqueza de uma sociedade reside na força de seus laços humanos, e nossos vizinhos podem ser a chave para redescobrir essa riqueza perdida.

Como ele se chama? Como se chama o porteiro? Eles estão precisando de algo? Podemos nos ajudar?

Espero que sim. Podemos começar hoje.

Entidades e empresas se mobilizam para promoção do Arroz Solidário

Estão em ritmo intenso os trabalhos de organização da primeira edição do Arroz Solidário. A programação ocorre no próximo dia…

Alunos do IERB criaram desenhos com mensagens de esperança aos atingidos pelas enchentes

Neste mês de maio, as professoras do Instituto Estadual Rui Barbosa, Gisele Silva De Oliveira Guedes e Viviane Siqueira Alves,…

Rock solidário nesta sexta-feira, no Atlanta

Nesta sexta-feira, 24 de maio, junto ao Atlanta Boliche Bar em São Luiz Gonzaga, será realizada a noite do Rock…