São-luizense é a primeira comandante mulher dos bombeiros de Guaíba

  • 28 de abril de 2023
Marcela Bombeira

Pela primeira vez na história do Pelotão do Corpo de Bombeiros Militares de Guaíba uma mulher assume o comando da unidade. E uma comandante são-luizense: Marcela Rhoden Santiago, sargento da corporação, que contou ao Jornal A Notícia a sua trajetória de vida e da profissão.

Filha de Onofre Soares Santiago (in memoriam) e Dulce Rhoden Santiago, Marcela nasceu em São Luiz Gonzaga em 1980. Fez o Magistério no Instituto Nossa Senhora Auxiliadora (INSA) e se formou técnica em enfermagem. Marcela conta que viu na figura do pai, Onofre, sargento da Brigada Militar que servia no 14º BPM, uma inspiração para escolher a futura e definitiva profissão. “Me criei no meio da Brigada, entre colegas do pai. Então era uma coisa que sempre quis, pois meu pai foi o maior incentivador.”

Em 1998, Marcela prestou o concurso público para ingresso na Brigada Militar como soldado. Na época, havia a possibilidade de escolha para mudar da Brigada para o Corpo de Bombeiros, ao que Marcela relembra: “Já no início do curso de policiamento ostensivo, tiveram alguns testes para quem quisesse mudar para os Bombeiros.  Testes físicos. Mais uma vez fui estimulada pelo pai a mudar, pois ele acreditava que o serviço nos bombeiros seria mais seguro. Então fiz os testes e passei.”

Assim, em 2001, Marcela iniciava a carreira no Corpo de Bombeiros, trabalhando nesses anos na atividade operacional da corporação, diretamente no atendimento de todos os tipos de ocorrências, como combate a incêndios, atendimento pré-hospitalar, busca e salvamento e atividades de defesa civil.

Após a conclusão do curso de formação, Marcela foi designada para trabalhar no Pelotão de Guaíba, subordinado ao 8º Batalhão de Bombeiros localizado em Canoas. Nesse tempo, Marcela constituiu família, se graduou em Curso Superior em Gestão Pública e, em 2018, foi promovida a sargento. Devido à experiência, formação e por ser a mais antiga do pelotão, a são-luizense assumiu recentemente a função de Comandante do Pelotão de Bombeiros Militar de Guaíba, sendo a primeira mulher na história do pelotão a assumir o posto.

Mulheres na profissão – Segundo Marcela, quando de seu ingresso no Corpo de Bombeiros, ainda havia poucas mulheres na corporação em relação a homens, o que foi mudando ao longo dos anos. “Minha relação com meus colegas sempre foi muito boa, pois precisamos uns dos outros para realizar qualquer tipo de atendimento. E, nessas horas, não existe discriminação por ser mulher. Sempre nos mostramos capazes e preparadas para a execução da missão, pois não existe nada que uma mulher não seja capaz de fazer”, destacou a comandante.

Saudades da terra natal – Embora morando com sua família há muitos anos em Guaíba, Marcela nunca esqueceu de suas raízes são-luizenses e guarda com carinho os momentos de sua juventude vividos em São Luiz Gonzaga: “Tinha 21 anos quando vim pra cá. Tenho saudades das amizades que fiz, da época da escola, da casa onde vivi com meus pais e irmão… e da época das passarelas! Eu desfilava na cidade, onde ganhei alguns títulos de beleza, como o Garota Verão e Rainha da Expo São Luiz. Foi uma época que me traz muitas lembranças felizes”.

Ainda segundo Marcela, “já pensei por muitas vezes em pedir transferência para São Luiz; porém, depois que eu e minha família nos adaptamos a esta cidade, fomos ficando e criando raízes. Mas amo minha cidade natal e seria um prazer imenso também trabalhar com esta equipe de grandes profissionais que atuam no Pelotão de São Luiz”, destaca.

Incentivo às jovens – Ao final da entrevista, a comandante do Pelotão de Bombeiros de Guaíba salientou: “Eu e meu Pelotão executamos um projeto chamado “Bombeiro na Escola”, onde aproveito a oportunidade para conversar com as meninas e incentivá-las a buscarem a carreira militar, pois acredito que, nos dias em que estamos vivendo, é o melhor caminho para nossas crianças e jovens. Incentivo a estudar e sempre buscar o aperfeiçoamento pessoal. E que não é porque somos mulheres que não conseguiremos, mas muito pelo contrário: conseguiremos porque somos mulheres e não sabemos a força que temos! Temos tanto a capacidade física quanto mental para lidar com determinadas situações da vida profissional. Basta acreditarmos em nós mesmas e no nosso potencial. Aconselho sempre a amar e a respeitar nossos pais, pois eles sempre querem o nosso melhor e sempre serão nossos maiores exemplos”, finaliza Marcela.

Entidades e empresas se mobilizam para promoção do Arroz Solidário

Estão em ritmo intenso os trabalhos de organização da primeira edição do Arroz Solidário. A programação ocorre no próximo dia…

Alunos do IERB criaram desenhos com mensagens de esperança aos atingidos pelas enchentes

Neste mês de maio, as professoras do Instituto Estadual Rui Barbosa, Gisele Silva De Oliveira Guedes e Viviane Siqueira Alves,…

Rock solidário nesta sexta-feira, no Atlanta

Nesta sexta-feira, 24 de maio, junto ao Atlanta Boliche Bar em São Luiz Gonzaga, será realizada a noite do Rock…