Vidas perdidas

  • 15 de março de 2024

A cada dia, os noticiários local, regional e nacional revelam casos de acidentes nas cidades e nas rodovias. O excesso de velocidade e o desafio de ultrapassar quem está à frente, tem causado acidentes que causam vítimas. São pessoas que resultam com ferimentos graves, que exigem prolongados períodos de tratamento, em muitos casos com sequelas permanentes, que reduzem a capacidade de locomoção e o exercício de atividades profissionais. As mortes são resultados ainda mais graves, porque cancelam projetos de vida, que atingem seu grupo familiar.

Apesar dessa realidade, marcadas pelo excesso de velocidade e as ultrapassagens, os casos de vítimas no trânsito continuam acontecendo, com estatísticas indicando que os números não se reduzem, ao contrário, aumentam.

O cuidado e a prudência nem sempre são observados pelos motoristas, colocando em situação de risco não só quem está no volante, mas todos os passageiros, quase sempre a família.

Muitas vezes, a bebida estimula ao exagero na velocidade e nas ultrapassagens.

A Polícia Rodoviária está presente nas vias de longo curso, dando assistência aos motoristas e inclusive agindo em relação aos que, motivados pela pressa ou o prazer de transitar em velocidade acima do permitido, para que além de punidos com multas, perdem pontos em suas carteiras de motorista e muitas vezes sendo proibidos de continuar ao volante.

O processo educativo é permanente, mas os resultados ainda são escassos. Certamente, as autoridades devem trabalhar na montagem de um programa de prevenção aos acidente no trânsito. Por isso, algo mais precisa ser feito, porque não é justo que famílias sejam vítimas em acidentes, cortando ciclos de vidas. Por isso, esperam-se novos procedimentos que reduzam feridos e mortos no trânsito.

Nas cidades, o maior problema é a velocidade com que transitam os motociclistas. Mesmo em cidades de médio porte, como São Luiz Gonzaga, esses profissionais praticam a velocidade de forma intensa e permanente. A estatística revela que embora o número de motos seja menor que os automóveis, são em veículos com duas rodas o maior número os casos de acidentes com feridos e mortes.

Impressiona muito a velocidade no trânsito de motos, porque é muito maior que o permitido pela legislação do trânsito. Esse comportamento infelizmente se tornou uma rotina. O pedestre que decidir atravessar uma rua, pode ser atropelado, embora vendo moto em trânsito a uma quadra de distância. A velocidade é demais.

Em relação ao trânsito temos muito a aprender e educar condutor de automóveis e motos a transitaram com mais tranquilidade, para proteger a si mesmo e a quem se torna vítima por colisões e outras ocorrências que resultam do excesso de velocidade.

Novas soluções são aguardadas, porque só através dessa ação os acidentes serão reduzidos.

Entidades e empresas se mobilizam para promoção do Arroz Solidário

Estão em ritmo intenso os trabalhos de organização da primeira edição do Arroz Solidário. A programação ocorre no próximo dia…

Alunos do IERB criaram desenhos com mensagens de esperança aos atingidos pelas enchentes

Neste mês de maio, as professoras do Instituto Estadual Rui Barbosa, Gisele Silva De Oliveira Guedes e Viviane Siqueira Alves,…

Rock solidário nesta sexta-feira, no Atlanta

Nesta sexta-feira, 24 de maio, junto ao Atlanta Boliche Bar em São Luiz Gonzaga, será realizada a noite do Rock…